cenas #02 – elementos da cena-ação

Como comentei na primeira matéria dessa minissérie sobre estrutura de cenas, as cenas-ação – onde todos os acontecimentos importantes da sua história acontecem – possuem três elementos: objetivo, conflito e desastre. Antes de me aprofundar em cada um deles, porém, vou tirar logo uma pedra do meio do caminho: só porque eu chamo as cenas-ação de cenas-ação não quer dizer que a ação nelas tem que ser estilo SUPER ação, ou seja, correria, explosões, lutas, monstros saindo do armário, etc.

A ação de uma cena-ação pode simplesmente ser uma guria tentando chamar atenção do cara que ela gosta. Ou uma pessoa tendo uma conversa com outra. A ação aqui se caracteriza justamente pelos elementos da cena-ação, ou seja, a presença do objetivo, do conflito e do desastre. E esse objetivo não precisar ser salvar o mundo, assim como esse conflito não precisa ser uma briga entre titãs e o desastre não precisa ser o fim do universo. Simples, né?

Continue reading cenas #02 – elementos da cena-ação

cena #01 – introdução

Faz um tempo que eu venho me debatendo para escrever as cenas do meu atual projeto, Queen of Hearts. Já fiz uma matéria (e uma ficha) sobre como estruturar cenas lá pro tumblr, e por um tempo elas me foram o suficiente, mas ao tentar escrever algumas para meu já mencionado projeto, eu me via incapaz de seguir a estrutura proposta por tanta gente. As coisas simplesmente não queriam acontecer daquele jeito e não havia santo nessa terra que mudasse isso. A internet havia, enfim, mentido para mim.

Continue reading cena #01 – introdução

estrutura #09 – o clímax e a resolução

E o momento que todos esperavam chegou: o clímax.

Nem preciso dizer que o clímax é o ápice de sua história, né? É também a parte mais rápida. E rapidez é justamente a palavra-chave aqui; qualquer que tenha sido a decisão crítica do seu protagonista, depois dela (aliás, desde o terceiro plot point, mas especialmente depois dela) a história deve está a todo vapor. Seus leitores devem estar devorando as próprias unhas de ansiedade, loucos para saber o que acontecerá quando seu protagonista enfrentar o antagonista.

Mas como se faz isso?

Continue reading estrutura #09 – o clímax e a resolução

estrutura #08 – terceiro plot point e a decisão crítica

Chegamos no terceiro ato! Como mencionei na última matéria, o terceiro ato é o mais acelerado de todos. Não há muito tempo para respirar aqui; tudo acontece muito rápido, e é justamente por isso que todas as peças devem estar no lugar certo antes de ele começar.

E como ele começa? Com o terceiro plot point.

Continue reading estrutura #08 – terceiro plot point e a decisão crítica

estrutura #07 – personagens agem

Como mencionei na última matéria, o midpoint é o segundo plot point e seu objetivo é mudar a história no mesmo estilo que o primeiro plot point o fez lá no primeiro ato. A principal consequência do midpoint acontece na segunda metade do segundo ato, que toma 25% da história, e ela pode ser resumida em: fazer os personagens agirem.

Continue reading estrutura #07 – personagens agem

estrutura #05 – personagens reagem

Continuando a série de matérias sobre estrutura, hoje falarei do segundo ato da história. O segundo ato é o maior de todos; enquanto o primeiro e o terceiro têm cerca de 25% da história cada, o segundo toma 50% do livro. Ou seja, o grosso da trama acontece aqui, no segundo ato.

Também conhecido como o temido meio.

*trombetas do apocalipse*

Continue reading estrutura #05 – personagens reagem

estrutura #04 – o primeiro plot point

O primeiro plot point é quando a história começa de verdade. É aquele momento em que não tem volta. Não importa o que seu personagem faça agora, ele não tem como retornar para a vida que ele tinha antigamente – a única opção dele é seguir em frente e lidar com o que quer que você tenha arranjado pra ele.

Continue reading estrutura #04 – o primeiro plot point

Estrutura #03 – personagens e riscos

Como mencionei na última matéria, o primeiro ato toma, mais ou menos, 25% do livro e nele podemos encontrar o gancho – as primeiras linhas/parágrafos da sua história, que servem para “capturar” o leitor -, o primeiro plot point (incidente instigante ou cena chave) e o que é talvez mais importante, os personagens e o que eles têm a perder.

E é sobre isso que falarei hoje: personagens e o que exatamente esses personagens têm a perder durante a história.

Já falei mil vezes por aí que são os personagens que carregam a história. O plot é importante, claro, assim como a escrita, mas se seus personagens forem mais ou menos ou ruins, muitos leitores simplesmente não vão se importar muito com seu livro. Eles podem até gostar, claro, mas sem personagens marcantes fica difícil “convencê-los” a ler o próximo volume, por exemplo, ou um outro livro seu.

E é nesses primeiros 25% da sua história que você deve apresentar os personagens principais para o leitor, estabelecendo quem eles são, o que eles querem e o que eles têm a perder.

Continue reading Estrutura #03 – personagens e riscos